Protagonistas Inesperadas Dos Livros Que Eu Leio – I

Gente, todo mundo que a minha vida amorosa é um desastre, tanto por minha culpa como por culpa de outras pessoas. Por isso, decidi falar um pouco sobre a vida amorosa de outras pessoas. No caso, como leio mais do que tudo, acho legal abordar as protagonistas dos livros que eu leio.

Bom, primeiramente Fora Temer. Prosseguindo, eu ia gravar um vídeo, mas não tenho boa expressão facial quando o assunto envolve me expor para muitas pessoas. Então achei melhor escrever. Essa é uma série que decidi iniciar aqui no meu blog, e sair um pouco dessa depressão fodástica que me tomou. Não vou escrever os nomes dos livros, porque não sou nenhuma crítica literária com formação de mestrado e blábláblá, apenas vou expor minha opinião. E como não quero atrapalhar ninguém (como se alguém lesse meu blog), vou falar sobre as protagonistas e ocultar o nome do livro.

A protagonista de hoje é muuuuuito ingênua, mas ingênua num grau que eu fiquei de boca aberta. Ela não se deixa bater como a nossa protagonista de Cinquenta Tons, porém ela é inocente demais! Até que achei ridículo. Fora que depois da merda que ela passa, ela não devia ser boa com metade das pessoas com quem ela é. Enfim, vamos começar.

A menina é filha da prostituta de uma cidade pequena dos EUA (sempre lá). Todas as pessoas da cidade tratam a bichinha como um lixo, ou alguém com doença contagiosa. A mãe dela não é muito próxima, e a menina passa o dia inteiro rezando e torcendo para a vida ser boa com ela e ela não se tornar igual a mãe. Tem um cara lá que é candidato a prefeito nessa cidade, e é irmão da atual prefeita. O cara em questão quer se casar com a menina, mas como sabe que não vai ganhar a eleição se tiver como esposa a filha da prostituta, ele decide esperar ser eleito, e fica cozinhando a menina em banho maria, mas sem transar com ela (não sei se isso foi bom ou ruim). Ao mesmo tempo esse candidato a prefeito está fornicando com uma moça que é namorada de um cara podre de rico, dono de uma linha de produtos de beleza. Esse cara podre de rico não gosta da namorada, mas não admite ser traído (MACHISTA PRA PORRA). Quando ele descobre a traição, decide se vingar do amante da namorada (o candidato a prefeito). Pra isso, ele vai até essa cidade do interior decidido a comprar um terreno que possui uma puta reserva ambiental, e construir uma fábrica; como a campanha do amante se baseia em preservar esse espaço, se uma fábrica for construída lá, ele perde a eleição. Quando ele chega na cidade, vê uma moça correndo pela praia com alguns cachorros. Adivinha quem é? Exatamente, a filha da prostituta. Vamos chama-la de Bobinha. A Bobinha percebe esse cara olhando pra ela de uma forma bem intensa, fica com medo e foge. Vamos chamar esse cara de Machista. O Machista decide que quer aquela moça, porque ele tem tudo o que quer. Investiga pela cidade, e descobre que o Candidato a Prefeito quer se casar com ele. Então ele pensa: OPA! Vou matar dois coelhos com uma cajadada só. Então ele faz uma proposta para a prefeita: Olha, eu deixo de construir a fábrica (mentira) se a Bobinha passar uma noite comigo. A prefeita vai até a casa da Bobinha e fala que se ela não transar com o Machista, a cidade inteira vai a miséria, e pior de tudo, a reserva será destruída. O que a Bobinha pensa? Ahh, vou lá perder a minha virgindade com o cara.

GENTE! Para tudo. O que está acontecendo? Quem pensa uma coisa dessas?

Você deve pensar: ahhh, o Candidato não vai deixar. Claro que deixa!! Então lá vai a menina fornicar com o cara. Mas, ela escreve uma carta dizendo que se sente imunda, triste, que quer morrer, e que a mãe do Machista deve ter vergonha dele. Chegando no motel, ela não sabe nem beijar. Lógico, ela devia ter aprendido com um namorado, não com um cara que está comprando o beijo dela. Então ela começa a chorar e diz que não quer fazer nada. O Machista transa com ela mesmo assim. ESTUPRO! O livro em momento nenhum chama de estupro, mas é exatamente o que aconteceu. A Bobinha não quer transar, e o Machista obriga. Então, enquanto ela dorme, ele vai revistar a bolsa dela, e encontra a tal carta. Se sente mal (não me diga) e vai embora. Deixa a Bobinha dormindo, e paga o motel e deixa um táxi reservado. Porém, a desgraça já estava feita. A cidade inteira chama a Bobinha de vagabunda (lembre-se que foi a prefeita que obrigou a menina a ir) e ainda dizem que ela transa mal, porque o cara continua com a construção da fábrica. Os caras da cidade tentam passar a mão nela, beijar, agarrar, transar. A vida da Bobinha vira um inferno. Ninguém deixa ela entrar em lugar nenhum, ficam apontando pra ela na rua, xingando, rindo. E ela continua quieta, andando com a cabeça baixa. O Machista fica sabendo disso tudo, e como está tomado pelo remorso, decidi voltar pra cidade. Chegando lá, ele encontra a Bobinha e fala: olha, eu sinto muito. Casa comigo! Eu vou pagar seus estudos e você vai se tornar alguém na vida. Claro que vamos ter que morar na mesma casa e dormir na mesma cama.

PUTA QUE PARIU! O cara estupra a menina e depois pede ela em casamento. Qual a resposta dela?

Ok, eu caso! MEU!!!!!! Revoltada. Não me importa se eles se apaixonam, se amam, tem bebês e etc. O cara estupra ela e ela casa com ele! Mora com ele! Dorme na mesma cama que ele! E porque ela quis! O estupro não foi por opção dela, mas ninguém a estava obrigando a casar com ele. Ridículo!!!

Enfim, ela me deixou nervosa. Como lei0 trocentos romances por mês, a próxima protagonista talvez seja no mesmo nível.

Vamos aguardar.

 

Advertisements

Hino a Ísis

Porque eu sou a primeira e a última

Eu sou a venerada e a desprezada

Eu sou a prostituta e a santa

Eu sou a esposa e a virgem

Eu sou a mãe e a filha

Eu sou os braços de minha mãe

Eu sou a estéril e numerosos são meus filhos

Eu sou a bem casada e a solteira

Eu sou a que dá a luz e a que jamais procriou

Eu sou a consolação das dores do parto

Eu sou a esposa e o esposo

E foi meu homem quem me criou

Eu sou a mãe do meu pai

Sou a irmã de meu marido

E ele é meu filho rejeitado

Respeitem-me sempre

Porque eu sou a escandalosa e a magnífica

É muita burrice pra pouco ser humano

O ser humano é muito burro, muito burro! É tanta burrice que me cansa. Fico cansada de ver o tanto de gente burra, preguiçosa e ridícula que existe nessa sociedade.

Ver um cara que foi acusado de ser banqueiro do PCC ser eleito pra ser prefeito da sua cidade é de cair o cu da bunda. Ponto.

Outra: temos que trabalhar na capital, estudar,fazer tudo na capital do estado e quem que é eleito? Um coxinha ridículo que quer cortar verba de Secretaria da Mulher, de secretaria LGBT, secretaria da Igualdade racial. Um cara que não sabe o que é trabalhar, que não sabe o que é andar de ônibus, que não sabe metade das coisas que acontecem nessa cidade, mas que foi eleito porque as pessoas são contra o PT. Isso não justifica!

Nossa, minha vontade é de me enfiar no meio do mato com umahorta e um pomar, minha cachorra e meu vibrador,  e me livrar dessa gente ridícula! Eu tô cansada! A sociedade tá indo de mal a pior, o sistema tá quebrado, a sociedade está quebrada, o ser humano tá podre e quebrado.

 A gente não tem mais conserto. O máximo que podemos fazer é fugir.

Eu quero ver!

Eu acho muito engraçado e ao mesmo tempo trágico essas pessoas brancas que querem opinar sobre racismo. Realmente, você sabe muito bem o que é ver nos livros de história imagens de ancestrais seus amarrados em postes enquanto são chicoteados. Também tenho certeza de que você vê um documentário com uma escrava algemada, com grades de ferro na boca e reconhece seus traços naquele rosto. Estou certa?

Continue reading

Violação Pública

Tem que ser muito foda pra sobreviver hoje em dia. Nem digo viver, mas simplesmente sobreviver. Acontece tanta merda, tanta desgraça, que eu fico me perguntando: será que, no final, eu serei feliz? Será que alguém será feliz?

Não é possível pensar na felicidade futura se não somos felizes hoje, porém não podemos ser felizes hoje porque precisamos pensar na felicidade futura. Porra, assim fica difícil.

Somos estuprados diariamente pelos costumes da nossa sociedade, tanto fisicamente como mentalmente. Temos que nos abrir para costumes que não gostamos, para regras que não fazem sentidos, para rotinas que não agregam valor. Quando tentamos retomar as rédeas das nossas vidas somos calados e obrigados a segurar o choro enquanto somos violados.

Passamos por abusos que não deveriam existir, e ao mesmo tempo machucamos pessoas que não merecem ser machucadas. Reproduzimos com o outro o que recebemos do mundo. É injusto, eu sei, você sabe, mas repetimos isso inconscientemente. Não temos coragem de nos abrir de verdade, e quando essa coragem surge somos novamente obrigados a fechar a boca.

Não sabemos amar e confundimos sentimentos. Em outros momentos, não nos confundimos, apenas pensamos que o que sentimos e real e fazemos uma grande merda.

Queremos sossego, queremos poder andar de mãos dadas sem medo de morrer, mas na realidade saímos olhando para os lados tomados de receios e travas.

Somos marionetes, robôs. Não sei por quanto tempo minha esperança irá resistir. Por enquanto ela ainda está aqui, amanhã eu já não sei.

Gente!

Nossa, eu realmente sumi! Como que pode isso? Não queria ter sumido, mas tanta coisa aconteceu. Coisas boas, coisas ruins… que seja. Foram tão intensas que nem tive tempo de postar sobre elas.

Não tenho mais certeza de que quero cursar Direito. Tudo bem, foi só o primeiro semestre, mas resolvi parar para pensar no futuro. Todo mundo sabe que sou meio perdida, então decidi seguir uma rota e ir até o final, através do que seria o meu sonho. Porém, esse era o meu sonho há 10 anos. Não tenho certeza de que continua o mesmo. Eu deveria estar empolgada, mas não estou. Isso é ruim.

Enfim, várias coisas.

Estou amando! Sim, telespectadores, estou amando. Sabe quando até os defeitos te fazem gostar mais da pessoa? Estou nesse nível. Oh céus!

Morando sozinha!! Estou morando sozinha! Gente, tem coisa melhor do que lavar a louça quando quer, comer quando quer, dormir como quer, assistir seus filmes de boa, ler os livros em paz? Me perguntam se não me sinto solitária. Não. A minha mente é complexa demais e cheia de coisas que não me permitem me sentir sozinha. Eu não sou só uma, eu sou várias de mim.

E amo todas.

Cruzes

O sopro da liberdade está chegando. Quase consigo vê-lo em minha frente. Independência, liberdade, vontade própria.
Ohhh não, as pessoas estão me julgando! Por que fazem isso? A vida delas não é tão interessante assim, que precisam julgar a minha? Vão cuidar da vida de vocês.
Preciso me comportar de forma específica, porque a sociedade pede? Foda-se!
Não, não pode ser! Minha família não me aceita. Ué, mas não fui ensinada de que sou auto-suficiente? Não entendo.
Vou vivendo um dia de cada vez.